A redação

A nação coxa-branca está de luto. Após uma entrevista polêmica para a revista Placar (http://placar.abril.com.br/turco/fenerbahce/alex-fenerbahce/entrevistas/idolo-eu.html), Alex – que já jogou no Coritiba – fez declarações depreciativas a respeito do verdão e disse não se sentir um ídolo do coxa, pra tristeza e decepção dos torcedores que esperavam a sua volta messiânica.

Alex: foi pra Turquia e ficou retardado mental

Alguns torcedores se pronunciaram, mesmo em meio ao momento de tristeza: “Pra mim ele continua sendo um ídolo. Conquistou vários títulos aqui, como por exemplo, o… éééé… teve… vários.” – afirmou um torcedor do alvinegro. “Manchou toda sua história vitoriosa por aqui. Ainda bem que o K9 está voltando pra mostrar o que é ser um ídolo de verdade.” – disse outro torcedor mais exaltado enquanto queimava seu álbum de figurinhas do campeonato brasileiro de 1996 com a figurinha do Alex.

Notícias relacionadas:

– Torcedores que faziam vigília pela volta de Alex desde 1998 finalmente deixam o Aeroporto Afonso Pena

– Torcida entra pro guinness como “maior número de pessoas a idolatrarem um cara que caga e anda pra eles no mundo”

-Torcida inicia movimento “O Tcheco já jogou aqui, sabia?” para quando Tcheco se aposentar

O elenco do Coritiba também se manifestou a respeito das declarações do ex-ídolo alviverde. “Azar o dele se não quer voltar… Estávamos preparando uma recepção com abraços e beijos acidentais” – afirma o zagueiro D4. “Com o Alex eu pretendia montar um esquema altamente ofensivo com 6 jogadores no meio de campo. Ia contribuir muito na busca pelos empates.” – disse Marcelo Oliveira. Especula-se também que as declarações de Alex de que o clube é uma merda não passam de uma estratégia de marketing do Coritiba pra fazer moral com seu novo investidor estatal – a Sanepar, conforme o Investidor Estrangeiro® já relatou anteriormente.

Anúncios

Por Bill Rock

Olá, amigos do Investidor!

Tristeza, decepção, mágoa. Estas são algumas das palavras que podem definir o embate deste fim de semana entre Arapongas e Coritiba. O melancólico placar de 2 x 0 para o time da casa encerrou uma série vitoriosa e empatoriosa de mais de 40 jogos do alviverde no Paranaense.

Héber - Perdendo o respeito dos bróder

O jogo já começou, pra variar, com um erro grosseiro do árbitro Héber Roberto Lopes. Após quebrar a coluna de 3 zagueiros do Coritiba, o atacante Thiago Adams do Arapongas fez o primeiro gol do jogo. Ignorando as lesões sérias causadas pelo centro avante, o árbitro sequer o puniu com cartão amarelo e prejudicou o alvinegro.  A falha de Héber desestruturou psicologicamente a equipe do Coritiba, que está acostumada com o favorecimento do árbitro. A partir daí a equipe coxa se organizou em campo e partiu pra cima levando perigo, com o ataque fortalecido pela presença de Anderson Aquino, artilheiro do futebol da Geórgia que voltou de lesão. Apesar da pressão, o time coxa-branca não conseguiu chegar ao sonhado empate no primeiro tempo, e o placar parcial era de vitória para o Arapongas.

No segundo tempo o técnico Marcelo Oliveira voltou sedento pelo empate, colocando em campo o lateral Eltinho e o maratonista angolano Geraldo. As alterações surtiram efeito e o Coritiba melhorou no jogo. Geraldo cumpriu sua função tática de correr de um lado pro outro igual uma galinha degolada e entrou pro Guinness como “jogador a causar mais crises de labirintite em quem está assistindo o jogo do mundo”.

Apesar da melhora do coxa, o árbitro Héber Roberto Lopes mais uma vez magoou o coração alvinegro ao expulsar Emerson quando o jogo se encaminhava para o empate. Logo após, ainda sentindo o baque da traição, Pereira falhou e o Arapongas ampliou o placar.

O Coritiba ainda brigou, mas já não havia tempo para reverter o placar. Final de partida com derrota coxa-branca, simbolizando o fim de uma era no campeonato paranaense.

Por Bill Rock

Olá amigos.

Hoje estou um pouco triste, então me perdoem se houver alguma melancolia no meu texto… Sinto muito.

Imagem que eu encontrei no orkut pra ilustrar minha tristeza e profunda reflexão acerca do meu verdadeiro eu após esta rodada desastrosa do campeonato

Estabeleci, entretanto, um compromisso com esse blog que tanto tem lutado em prol do estado do Paraná, e me sinto na obrigação de escrever a minha análise desta rodada derradeira do primeiro turno do campeonato paranaense. O jogo em pauta é Paranavaí x Atlético.

O clube rubro-negro entrou em campo desesperançado e precisando de um verdadeiro milagre para ser campeão. Para ser campeão do turno, além da vitória sobre o forte time do Paranavaí, que jogava em casa com o apoio de seu torcedor, o clube da Baixada ainda tinha que contar com um resultado adverso do fortíssimo time do Cianorte jogando contra o Arapongas, e torcer pro Tribunal Superior Isonômico rejeitar o pedido do Coritiba de valorização do empate, conforme relatado no blog no dia de ontem.

Pois o Atlético não pode reclamar da sorte, e nem das autoridades, pois uma combinação extremamente improvável de todos estes fatores levaria o Atlético a ser campeão. Aí vocês me perguntam: por que as autoridades? E eu respondo: com dois minutos de jogo, o Atlético já contou com a ajuda da arbitragem para abrir o placar. Bruno Furlan entrou na área e deu uma joelhada na canela do goleiro do Paranavaí. Falta para expulsão do jogador do Atlético na visão de um juiz com boa interpretação. Na visão do árbitro da partida, pênalti para o Atlético e gol de Bruno Mineiro.

A partir daí, o Paranavaí fragilizado e amedrontado pela arbitragem tendenciosa passou a jogar mal e o Atlético logo ampliou – adivinhem só – numa falha da arbitragem. O mesmo jogador/lutador de vale-tudo, Bruno Furlan, saiu para ser atendido e voltou a campo com autorização do árbitro exatamente no momento em que o Atlético partia para o contra-ataque. Pego de surpresa, pouco o Paranavaí pode fazer para evitar o segundo gol de Liguera, que já não é mais uma criança. Fim de primeiro tempo e fatura praticamente liquidada.

Enquanto isso, em Curitiba, o Coxa dava um passeio de bola no Roma, mostrando que era muito mais merecedor do título, e o Cianorte não conseguia mais do que um empate contra o Arapongas.

No segundo tempo o Atlético levou pressão do Paranavaí, mas aumentou o placar em um lance de sorte no contra ataque. Harrison recebeu em posição duvidosa e marcou. Enquanto isso, em Arapongas, o time da casa jogava um balde de água fria no Cianorte, abrindo o placar aos 36 do segundo tempo. O Atlético, porém, ainda não estava com o título na mão, pois ainda havia o pedido do Coritiba para ser julgado na justiça, mas aí entraram mais uma vez as autoridades e favoreceram o Atlético, recusando o pedido isonômico do verdão e deixando a taça cair no colo do Atlético.

Já no fim do jogo, o Paranavaí marcou um golaço de fora do garrafão, e todos sabemos que bola de fora do garrafão vale três, mas o juiz ajudou o Atlético mais uma vez e concedeu apenas um gol ao Paranavaí, entregando de mão beijada o título nas mãos do Atlético, premiando a desonestidade do clube da Baixada.

E assim se encerrou o primeiro turno do Paranaense: de forma melancólica e desprezível.

Espero que as coisas melhorem ao longo desta semana, e que no próximo turno eu não precise estar escrevendo tão tristes linhas na última rodada. Vamos torcer pela isonomia.