Heróis da resistência

Abril 15, 2012

A redação

As duas partes envolvidas no processo de desapropriação dos terrenos para conclusão da Arena, a prefeitura de Curitiba e os proprietários dos 15 lotes no entorno do estádio, parecem ter visões diferentes sobre o assunto. Até agora, segundo apuração do Investidor (não vamos revelar a forma como levantamos estas informações pra não detalhar demais), houve acordo sobre 10 terrenos, 3 a menos do que diz a prefeitura, e nossos dados são muito mais confiáveis, obviamente. Dos restantes, existem pelo menos 2 heróis que resistem bravamente na luta pelo plano B.

Infelizmente, no processo de desapropriação, não adianta chorar sobre o leite derramado. Mas alguns heróis ainda tentam bravamente

“Segundo meus cálculos, estão pagando 100% a menos do que o valor de mercado” – afirma um dos heróis. “Eu acho que esses outros 10 moradores que entraram em acordo com a prefeitura estão completamente loucos, ou está sobrando dinheiro pra eles.” – conclui. O outro herói ainda tem esperança de não precisar ser desapropriado: “Estou enrolando o processo porque ainda acredito que dá tempo do verdão construir um estádio sem dinheiro público e evitar essas desapropriações” – afirma o morador que prefere não se identificar, mas que garante que não torce pra nenhum clube da capital.

Uma história sem mocinhos nem bandidos

Um doutor em direito e professor da Universidade Federal do Paraná não acredita que a história da desapropriação dos terrenos tenha mocinhos nem bandidos. “Estamos falando de pessoas adultas que ou querem compor os interesses da coletividade ou buscam uma indenização maior, mas eu achei interessante como esta matéria foi escrita deixando nas entrelinhas que existe sim um lado prejudicado e outro favorecido” – afirma.

 

2 mil…

…é o número de crianças que poderiam ser beneficiadas com o dinheiro que será usado para as desapropriações. Uma creche no bairro do Sítio Cercado custou R$ 1,3 milhão pra ser construída e tem capacidade pra 200 crianças. Como uma creche só precisa de um prédio e não de professoras, funcionárias, manutenção e pagamento das despesas, usamos um número alto de possíveis creches em operação pra impressionar você que está lendo esta matéria.

 

Quem questiona o valor cotado pela prefeitura esbarra na seguinte situação: como o Decreto n.° 1.957 garante a desapropriação da área, 80% do valor total pode ser resgatado pelo proprietário do imóvel, enquanto 20% permanece em juízo até a decisão final da Justiça. Situação cujo risco de se alongar é bastante alto, segundo nossos especialistas em calote e previsões do futuro.

Segundo apuramos, na maioria dos acordos amigáveis para venda dos terrenos, os proprietários ficaram com a sensação de quem poderiam ter ganhado mais. A minoria satisfeita é composta por pessoas altruístas, monges budistas ou torcedores do Atlético que aceitaram vender seus terrenos por menos do que eles valiam. Vamos dedicar a estes somente um parágrafo curto no fim da matéria pra que você esteja tão indignado com o restante do que foi escrito que, quando ler este parágrafo, não dê a mínima importância para o fato de que a maioria esmagadora dos moradores aceitou o acordo enquanto só dois heróis estão tentando se favorecer da situação.

Anúncios

Por Leocádio Mente Júlio

Após a bizarra gestão do ex-presidente da FPF, Onaireves Rolim de Moura, o futebol paranaense acreditava que o comando da entidade máxima do nosso futebol não poderia ficar pior. Ledo engano. A gestão de Hélio Cury encaminha-se pra ter uma história tão ou mais deprimente do que a de seu antecessor.

Após a vergonhosa fórmula de disputa do super-mando e de ter permitido que o Paraná Clube fosse rebaixado sem favorecer no tapetão o tradicional clube de 22 anos de idade – preferindo manter na Série Ouro o inexpressivo time centenário do Rio Branco, apenas por ter maior torcida que o tricolor – agora a Federação impõe uma vexatória e humilhante condição ao Coritiba, maior time do estado: a de ter que ceder seu estádio por míseros 30 mil reais por jogo, gerando uma receita medíocre de, em média, 90 mil reais por mês, para o segundo maior time da capital, que já onera o estado com a construção de seu decadente meio-estádio.

Os medíocres valores vêm justificados pelo estádio atleticano ser, supostamente, aquele que receberá jogos da Copa do Mundo. Mas não se deve criar uma lei paralela apenas por causa do mundial. Não existem motivos que justifiquem humilhar clubes (pois a presença de atleticanos torcedores de verdade é humilhante num estádio palco de tantas selvagerias e atrocidades), passar por cima da legislação e estuprar o erário público. Esta herança é mascarada vergonhosamente em nome de um suposto benefício que nós, cidadãos de bem, não teremos.

A Federação devia sim correr em busca de uma solução para o Atlético, porém sem prejudicar os outros times afiliados a ela. Por exemplo, o Atlético podia jogar na Vila Capanema…

Mas espera, o Paraná joga lá e se a Federação impusesse que o Atlético jogasse lá, estaria prejudicando o tricolor.

Ah, então o Atlético poderia jogar no Ecoestádio…

Mas tem o Corinthians Paranaense.

Pula esse.

Dá pra jogar no…

Enfim, são várias opções. E, de todas, a pior era o Couto. Isso, pelo óbvio motivo de que… De que se o Atlético jogar lá. Hum… Bem. Coisas terríveis podem acontecer. Terríveis mesmo!

Para todos os clubes prejudicados – excetuando apenas e, obviamente, o Atlético – fica o alerta: ou o presidente Hélio Cury é barrado ou teremos que agüentar mais vários anos de bingões, avestruzes e – bate na madeira – o Atlético colocando mais gente no Couto do que o próprio Coritiba.

A redação

Nem a virada do ano foi o suficiente pra parar as sucessivas vergonhas impostas pelo Atlético ao futebol do estado. Após empurrar goela abaixo dos cidadãos paranaenses a construção de seu estádio com o dinheiro público, o Atlético agora conta com o apoio da Federação Paranaense de Futebol para consolidar suas falcatruas. O clube da Baixada escolheu o Majestoso Couto Pereira para mandar os seus jogos durante as reformas ilegais do estádio atleticano e, diante da óbvia negativa da diretoria alviverde – que não aceita, nunca aceitou e jamais aceitará torcedores civilizados freqüentando o Couto Pereira – recorreu à suja e rasteira entidade máxima do futebol do estado para alcançar seus objetivos.

Couto Pereira: antes, palco de horror e sanguinolência. Agora será vergonhosamente local de manifestações de uma torcida que grita pelo seu time

“Eu não acredito no ofício que recebi até agora!” – afirma o presidente do Coritiba, Vilson Ribeiro – “Nós cuidamos do nosso estádio com tanto carinho… Reformamos tudo, instalamos cadeiras facilmente quebráveis pra ajudar nossos torcedores marginais, investimos nossa urina durante anos nas paredes do Couto pra chegar a Federação e nos obrigar a alugar o Couto por apenas 30 mil reais por jogo. 30 mil reais é o que ganha por hora o porteiro da casa do roupeiro do time sub-18 do Coritiba. Só com a receita de 0,0005% dos nossos sócios, já ganhamos, por dia, 10 vezes mais do que isso.” – protesta.

Notícias relacionadas:

– Especialista afirma: “Mendigos que moram debaixo da ponte pagam mais do que R$ 30.000,00 de aluguel”

– Após chamar Coritiba de golfinho, Petraglia e Atlético terão de pagar 47 centavos a mais por jogo, diz Vilson Ribeiro

– Aluguel de estádio em Joinville custa mais caro do que aluguel do Couto Pereira

A torcida do Coritiba também ficou na bronca com a Federação e promete uma mega mobilização para protestar. Mais de 2 bilhões de pessoas (32% do número de sócios do Coritiba, aproximadamente) estarão no Couto Pereira pra dar um mega abraço no estádio. Com o total de pessoas que estarão lá, estima-se que o abraço dará 49 voltas ao redor do universo inteiro, e entrará para o Guinness como “Maior abraço coletivo em uma estrutura comprometida pelo tempo e pela ação de bactérias urinárias do universo”. O Coritiba, ainda, entrará na justiça pra tentar retomar o Couto Pereira. Como principal argumento, a defesa do Coritiba usará o fato de que quem tem que emprestar a Arena pro Coritiba é o Atlético, já que no fim das contas é o Novo Couto que será o estádio da Copa.

A redação

Mesmo a pouquíssimos dias do fim de 2011 ainda houve tempo para o Atlético, mancomunado com a prefeitura de Curitiba, fazer mais uma patacoada e estragar o fim de ano dos pobres moradores do entorno do estádio atleticano. Às vésperas do natal, o que os vizinhos da Arena receberam de presente foi nada mais nada menos do que um decreto de desapropriação de suas casas.

Papai Noel atleticano estraga natal dos vizinhos da Arena

“O Papai Noel entrou pela chaminé da minha casa e a primeira coisa que estranhei foi que ele estava com roupa vermelha e preta, ao invés do tradicional vermelho e branco” – diz Vilsinho, 10 anos, vizinho da Arena e frustrado com a visita do Papai Noel à sua casa. “Depois ele botou a mão no saco de presentes, tirou de lá de dentro um papel e pediu pra que eu entregasse pra minha mãe… Me disse ‘HO HO HO, se fode aí piazão sem teto!!’ e então saiu da minha casa voando num trenó puxado por poodles” – afirma.

Como única alegria nesse natal, os moradores terão o consolo de se sentirem vingados, pois mesmo com as desapropriações, a copa será definitivamente sediada pelo novo estádio do Coritiba. O presidente do clube fechou as tratativas e comprou o terreno do antigo Clube do Golfinho, pela identificação que o mesmo possui com o verdão. “Compramos o terreno do Clube do Golfinho e lá vamos construir o tão sonhado Novo Couto, porém manteremos as piscinas ativas para que os jogadores possam treinar nado, já que a região do novo CT do Coritiba alaga durante o período de chuvas (de janeiro a dezembro), dificultando os acessos.” – diz o dirigente. “Quando finalmente terminado o nosso complexo esportivo, não só teremos o mais moderno estádio como manteremos o clube para nossos 2 bilhões de associados*, porém vamos rebatizá-lo para Clube da Luta em homenagem aos guerreiros gladiadores sanguinolentos invasores de estádio da nação coxa-branca” – finaliza.

*números atualizados hoje, há 25 segundos atrás, para garantir que este número não subiu em 50% até a publicação desta matéria.**

**enquanto escrevíamos esta nota de rodapé, o número já subiu em 50%

A redação

A participação curitibana na Copa de 2014, que já se antevê medíocre, está provocando a tristeza e a insatisfação dos moradores da cidade. É o que aponta a nova pesquisa do IVRIE (Instituto Vilson Ribeiro de Isonomia e Estatística) em parceria com o blog Investidor Estrangeiro.

Mais de duas pessoas foram entrevistadas (três, para falar em números exatos), todas escolhidas aleatoriamente na redação do Investidor. Os resultados demonstram claramente a falta de prestígio que o evento terá por parte do cidadão de bem curitibano. Confira mais detalhes nos desinfográficos abaixo (para ampliar as imagens clique nelas ou aproxime sua cara do monitor).

 

“É uma vergonha que uma cidade do tamanho e da importância de Curitiba fique relegada a um quadragésimo plano da mediocridade quando recebemos um evento deste porte” – afirma a velhinha desapropriada das cercanias da Arena. “E olhe que nós curitibanos lutamos com unhas e dentes pela realização do evento aqui! Todo nosso esforço para receber a Copa está sendo jogado no lixo pela incompetência da diretoria atleticana que não consegue levantar um estádio pra mais de 100 mil pessoas.” – finalizou a indignada ex-residente do Água Verde, atualmente moradora de rua e pedinte nos semáforos de Curitiba por ter recebido apenas 500 mil reais por sua kitinete vizinha ao estádio.

A redação

Uma notícia pegou todos os paranaenses cidadãos de bem e pagadores em dia do seu IPTU de surpresa nesta semana. O presidente da Federação Paranaense de Futebol, Hélio Cury, anunciou que o terreno do Pinheirão não mais poderá ser sede do Novo Couto devido a imbróglios na justiça.

Hélio Cury mostra sua safadeza tentando brecar a inevitável construção do Novo Couto enquanto faz peteca da fanáticos na mocó

Com a notícia, a diretoria do Coritiba imediatamente mostrou seu profissionalismo. Sem se abalar, o presidente Vilson já anunciou que um investidor estrangeiro está disposto a comprar um terreno ainda melhor em Curitiba e levantar nele o Novo Couto: a Praça Rui Barbosa (ver infográfico comparativo).

Clique na imagem para ampliar

“A compra do terreno da Rui Barbosa está nos últimos detalhes” – anunciou Vilson. “Estamos assinando os últimos papeis, que nós pegamos de volta depois da confusão com a FPF e a Portuguesa”.

Além de todas as vantagens já demonstradas no infográfico, o próprio terreno da praça já conta hoje com alguns detalhes que são cruciais para o sucesso do novo projeto: bancos que podem ser facilmente quebrados por torcedores com menos de 32 neurônios, banheiros melhores que os da Arena e pombos para serem alimentados pelos velhinhos desapropriados das cercanias do estádio rubro-negro.

Professor Zê

Notícias quentinhas feito pão d’água fresco recentemente alegraram minha manhã: os paranaenses Trevisan e Laurentino Gomes foram agraciados com o Prêmio Jabuti, principal prêmio literário do País. Além deles, também venceu José Castello, que reside no estado há 17 anos. Ah, mas que belas realizações! Em âmbito nacional, uma página de orgulhos tingida com o verde-araucária de nossa bandeira! Isso, certamente, faz parte da história que queremos para o nosso Paraná. E podemos nos perguntar: e em outras áreas? E no futebol? Qual história queremos?

O tricolor, por exemplo, é parte querida de nossa história. É nosso folclore, nosso charme. Une as pessoas, tal como um dia se uniram Britânia, Ferroviário, Pinheiros e tantos outros. Gralhas-azuis, araucárias… sempre um bom assunto para confrades em jantar.

E o Coritiba? Conquistou um feito ainda maior que o dos notórios literatos: se aqueles granjearam honroso mas nacionalmente limitado reconhecimento, o time da Fita Azul nos surpreendeu com um recorde que reverberará pelos quatro cantos do planetinha. Civis na Líbia, idosas australianas ou nômades ciganos ouvirão, todos, o retumbar dos hinos alviverdes. E, ao avistarem um calção preto, todos se lembrarão do clube (e do nosso estado!). Afinal, com seu recorde de vitórias, o coxa sentou mundialmente em um merecido trono. Trono que compartilha apenas com seres de igual mérito e notoriedade: como o porquinho Oscar, do Texas, registrado como o mais velho do mundo; como o suiço Jean-Francois Vernetti, por sua coleção com 11.111 cartões de “Não perturbe” de diferentes hotéis.

Agora o Atlético… campeão das trapalhadas. Dos destrutivos em potencial. Da desapropriação de idosos vulneráveis. Dos conluios com Hélio Cury para prejudicar seu co-irmão e monopolizar a tutela da Copa da Vergonha. E, com o monopólio conseguido por meios escusos (informação dada por conselheiros de um time da capital), tornou-se também campeão também da lentidão em obras. É o que este blog apurou dia 20/10. As imagens publicadas não mentem: o que conseguiram fazer até agora? Um buraco tão pequeno que nem um mísero avestruz filhote de Onaireves conseguiria esconder ali sua cabeça! E temos vergonha alheia de sobra para motivar a pobre ave a praticar semelhante gesto. Infelizmente. Mas sem fiscalização, concorrência ou transparência, os vícios humanos se alojam. Não é mesmo, Furacão?

Todo esse papelão promovido por interesses obscuros é enorme! E digo mais: é um papelão tão pesado que nem mesmo um popstar e sua legião de fãs conseguiriam pegá-lo de volta! Alguém tinha dúvidas de que atitudes assim iriam tirar de nós a Copa das Confederações? Como bem disse a Gazeta do Povo, “nenhuma sede foi tão desprezada”. São esses tipos de recordes, rubro-negro, que devemos imprimir no Guinness da eternidade? 

Não deem mais a Copa aos interesses particulares de um clube! O caso é urgente e exige uma medida enérgica: deem ao investidor estrangeiro! A solução é ousada, mas recuperaria um delicado casamento. Aí sim, vocês verão quão largo e arrojado pode ser um buraco. Sob a batuta do ilustre Vilson, então, o rombo cresceria tanto que talvez erguesse novamente a caneta dos responsáveis pelo Guinness Book! E tudo feito pelas vias da honestidade, garantindo uma gloriosa Copa. Mas, para isso ocorrer, não podemos esquecer da pergunta: quais as histórias que queremos para nosso Paraná? Fica a reflexão.

(Professor Zê é Bicho do Paraná.  Nasceu bebendo leitE quentE, passou a adolescência comendo vina e levando seu penal para todo lugar, pois nunca deixou de estudar. Hoje, consolidado em sua área, carrega suas origens como uma mãe zelosa cuida de seu filho. Catedrático bem conhecido em todo o perímetro paranaense, apaixonado pelo contexto esportivo local e pelas cores da bandeira de nosso estado, faz questão de levar nossos grandes nomes e cânones em suas constantes palestras internacionais.)

A redação

E o Atlético Paranaense segue mostrando dia após dia que a única pessoa sensata dentro do clube é o capitão do time, Paulo Baier. Em mais uma demonstração de cabacice pré-mirim, a diretoria do clube mostra sua incapacidade em gerir as obras da Arena da Baixada e não consegue sequer abrir um buraco no chão com a urgência necessária para receber a Copa do Mundo.

Pífio buraco escavado na Arena da Baixada até o momento

A reportagem do Investidor Estrangeiro, através de sua repórter de campo Miriellhy Melzinha, entrevistou algumas pessoas aptas a opinarem sobre o ritmo das obras. A primeira pessoa foi um pedreiro que está trabalhando na obra de ampliação da churrasqueira da residência da família Ribeiro de Andrade. O profissional, com 26 anos de experiência na área, foi enfático ao dizer para nossa repórter: “Ô CREMOSA!! CHUPAVA VOCÊ ATÉ SAIR PETRÓLEO!!@#$”.

A reportagem procurou ainda velhinhos vizinhos da Arena que preferiram não se manifestar por medo de serem sacrificados. Um morador mais corajoso, cuja identidade ocultaremos, se limitou a dizer umas poucas palavras: “durante o fim de semana, ninguém trabalha aí não, inclusive os jogadores do time. E quando está chovendo, o buraco alaga e inunda nossos apartamentos”, afirmou o morador que chamaremos de “Vilson”, residente no 13º andar de um prédio vizinho.

Enquete:

Buraco de paca, tatu caminha dentro?

( ) Sim

( ) Com certeza

( ) Dentro, fora, dentro, fora…

( ) Não entendi

Enquanto o Atlético sofre com o impasse, o Coritiba já aproveita para tomar a dianteira na conclusão do Couto Pereira. O clube anunciou nesta quarta a contratação de 40 escavadeiras, 54 tratores, 37 máquinas de extração de petróleo em terra firme, 132 tatús adestrados e todo o exército vietnamita de Cu Chi.

Obras no Couto seguem em ritmo acelerado

Vilson Ribeiro de Andrade falou com nossa entrevista sobre o início das obras: “É mais um passo que damos adiante do nosso co-irmão” – afirmou. “O buraco é apenas o começo da construção do novo Couto, que terá um metrô próprio que levará os jogadores do novo CT para o estádio em apenas 15 horas de viagem.”. A torcida coxa se mobilizou e, para ajudar nesta etapa preliminar de construção do novo estádio, levou suas próprias pás, enxadas, rastelos, pedaços de pau e destroços de arquibancada para contribuírem nas escavações.

A redação

Já não bastasse o mau exemplo do Atlético com suas máquinas perfuradoras que chegarão ao inferno pra selar o pacto de conclusão da Arena, agora a prefeitura de Curitiba perdeu de vez a noção e decidiu apoiar o clube da baixada em seus planos demoníacos. O prefeito anunciou a construção de um trem que levará os cidadãos curitibanos direto para o inferno da perdição, apenas para satisfazer a necessidade do clube rubro-negro de valorizar seu estádio que hoje só possui (xô, satanás!) péssimos acessos.

Transporte de Curitiba sendo satanizado

O presidente da Igreja Quadrangular Final do Festival de Futebol, Pastor Vilson Ribeiro de Jesus Anunciador, se manifestou contra mais esta investida anticristã em favor da copa: “É o cúmulo do absurdo isso! Com todo esse dinheiro, deveriam pensar no meio ambiente e construírem ciclovias. Que São Alex tenha piedade dessa gente.” – disse o pastor. O atacante Fred já se manifestou a favor do pastor e ontem, em jogo contra o Coritiba, fez um gol de bicicleta.

Notícias relacionadas:

– Novo caderno de encargos da FIFA diz que cidades mancomunadas com o satã não podem sediar a copa. Curitiba está oficialmente fora;

– Investidor estrangeiro construirá arena pro Coritiba em Almirante Tamandaré

– Figurinhas do novo Couto em Almirante Tamandaré já disponíveis pro álbum!

 Rapidinhas do verdão:

Enquanto isso, o Coritiba segue dando show dentro e fora do gramado: do lado de dentro o time segue em sua brilhante campanha lutando pela Libertadores (atualmente na 10ª colocação, apenas 8 pontos atrás do G5) e assiste de camarote a certíssima queda do rival (que precisa de impossíveis 4 pontos para sair da ZR). Do lado de fora, o presidente Vilson Ribeiro reuniu torcedores, conselheiros, diretores e capangas no matagal onde será o novo CT do coxa, em São Mateus do Sul é País Coritba CFC. Com ajuda de enxadas, todos juntos deram o pontapé inicial nas obras fazendo a limpeza do terreno, que futuramente irá receber 12 campos de futebol, duas academias, um pesque-pague, um assentamento para as velhas desapropriadas da região da Arena, além de um estábulo pra abrigar pangarés e avestruzes (clique aqui pra saber mais sobre o negócio de avestruzes).

Rapidinhas do Atlético:

No Atlético o clima era fúnebre após o empate contra o Vasco. Paulo Baier fez uma declaração polêmica na saída do jogo. O experiente meia disse na saída do jogo: “Jogo no meio de um monte de cabaço virjão que não sabe nem o rumo da rodovia do café”. Além disso, o antidoping de Morro Garcia na saída do jogo apontou a presença de cocaína, crack, maconha, cola de sapateiro, bala sete belo e folha de alface no seu sangue. O Atlético pode pegar uma pena de até 50 anos fora da Arena por isso, pois já é reincidente, já que Madson também foi pego no bafômetro na saída do estádio.

A redação

Agora o Atlético parece ter definitivamente extrapolado os limites do admissível. Depois de uma vitória roubada, com direito a gol legítimo do Inter anulado e dois gols mais do que absurdamente cagados daquele gringo que também meteu 2 na gent… digo, no Coritiba, o Atlético agora se alia ao próprio satanás para garantir a conclusão da Arena. Neste fim de semana, adentraram o estádio do clube máquinas perfuradoras com o objetivo de ressuscitar o demônio das profundezas.

Além de tamanha afronta à sociedade cristã, o Atlético ainda usou para seus objetivos obscuros uma pobre velhinha que morava no entorno da baixada como sacrifício para selar o pacto.

Máquina do inferno adentra a Arena

Velhinha cristã tenta deter a máquina antes de ser oferecida em sacrifício

O que restou da velhinha

O presidente da Congregação de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias do Coritiba na Primeira Divisão, Vilson de Deus, se manifestou publicamente em repúdio ao Atlético. “É um absurdo que em pleno século 21 velhinhas sejam mortas por covardes em benefício de um clube de futebol” – disse. “Todos deveriam seguir o exemplo da massa cristã ortodoxa coxa-branca e oferecer em sacrifício apenas policiais que estejam fazendo a segurança do estádio, pois pelo menos eles tem armas e podem se defender” – finalizou.

Notícias relacionadas:
Jerome Valcke é filho de velhinha que virou carne moída e Atlético pode perder a Copa
Nova regra da FIFA diz que estádios da Copa não podem ser construídos com auxílio de entidades demoníacas. Coritiba e FPF já apresentaram uma Arena Aleluia no lugar do Pinheirão e podem dar rasteira histórica
Aniversário do bicentenário do Coritiba terá Mara Maravilha e Padre Fábio de Melo entre as atrações principais

Enquete:
Você é a favor de um estádio construído com apoio do cramunhão?
( ) Deus me livre!
( ) Credo em cruz!
( ) Jesusmisericórdia!
( ) Não

O Atlético ainda protagoniza mais um vexame para a sociedade paranaense ao desapropriar de suas casas e jogar na sarjeta moradores do entorno da Baixada para dar sequencia ao seu projeto maquiavélico. O presidente do MST (Movimento dos Sem Terceiro-anel), Virso Pé-de-Enxada Ribeiro se manifestou repudiando a ação do governo em conjunto com o Atlético: “é uma vergonhêra da bixiga nóis fica sem tê onde morá… já num basta nossa mei’água num tê tercêro anel e cum malemá duas mão de tinta, agora vão tira nossas casa tumém?? ARA SÔ!!!!”, sentencia.

Legião de Marcelinhos Paraíba que foram despejados se juntam em manifestação contra o Atlético